Notícias

Ver todas

Eventos

  • O piano e suas perspectivas com Clara Sverner

    O piano e suas perspectivas com Clara Sverner

    04 Dez

    O piano e suas perspectivas com Clara Sverner

     

    ARTISTA INDICADA DUAS VEZES AO GRAMMY LATINO. Vencedora do Prêmio Profissionais da Música 2019 no segmento clássico. Intérprete de talento reconhecido por público e crítica do Brasil e do exterior, Clara Sverner teve sólida formação que se iniciou em São Paulo com o professor José Kliass. Aperfeiçoou-se mais tarde nos centros musicais mais avançados, como o Conservatório de Genebra, onde recebeu uma medalha de ouro, e o Mannes College of Music, de Nova Iorque. Premiada no Concurso Internacional Wilhelm Backhaus, ainda adolescente iniciou a vitoriosa carreira que a tornou uma das mais prestigiadas virtuoses brasileiras. Apresentou-se em recitais e concertos por todos os quadrantes do Brasil e em turnês para plateias da Europa, dos Estados Unidos, do Japão e de Israel. No domínio da música clássica brasileira, foi a principal responsável pela redescoberta das obras de Glauco Velásquez. Foi ainda pioneira a desvendar a produção pianística de Chiquinha Gonzaga, a quem dedicou várias gravações. Em 1980, saiu o primeiro álbum com algumas obras para piano da maestrina. O sucesso foi imenso e, em 1981, gravou o segundo LP com outras obras de piano dessa fecunda compositora. Em 1999, o CD « Chiquinha Gonzaga por Clara Sverner », foi utilizado na minissérie da Rede Globo, intitulada « Chiquinha Gonzaga ». Foi também responsável pela primeira gravação do disco no Brasil com obras de Anton Webern, Alban Berg, Eric Satie e Maurice Ravel, em 1974. Na sua fecunda parceria com o saxofonista Paulo Moura, aboliu fronteiras, abriu-se para outros universos sonoros, explorando um repertório que abrangia desde os clássicos da nossa música popular, como Pixinguinha, até obras especialmente compostas para o duo por Almeida Prado, Gilberto Mendes e Ronaldo Miranda. Com Paulo, gravou quatro discos, sendo que o disco “Vou Vivendo” ganhou o prêmio Villa-Lobos, em 1986. Sua parceria com João Carlos de Assis Brasil foi muito expressiva e resultou em dois discos, sendo um com obras de Joplin e Satie, considerado pela crítica um dos melhores do ano. A discografia de Clara Sverner, que reflete sua estética apurada e seu espírito de vanguarda, consiste em mais de 26 rótulos, distribuídos internacionalmente. Festejada pelo público e crítica é a “Íntegra das Sonatas de Mozart”, em 2009. O primeiro volume de “Mozart Por Clara Sverner” foi finalista do Prêmio TIM. O Vol. 2 ganhou o Prêmio TIM de Melhor Disco Clássico. O Vol. 3 indicado ao Grammy Latino. Em 2008, Clara participa no disco solo “Nós” de Marcelo Camelo, nas músicas “Passeando” e “Saudade”. Em junho de 2009 ao lado de seu filho o designer, Muti Randolph, desenvolveram um projeto inovador onde imagens são geradas a partir do piano em tempo real. O espetáculo denominado “Sinestesia” ganhou a sua versão em 3D em 2016, sendo sucesso de público e de crítica. Em 2011 o disco “Chopin por Clara Sverner” foi indicado ao Grammy LaƟno, na categoria de melhor álbum de música clássica. Em 2012, realizou tournée por cinco cidades do interior do Estado de SP patrocinada pela Eletrobras Furnas divulgando o CD “Chopin”. Em 2016, Clara fez parte do elenco da peça 33 Variações de Beethoven, estrelada pela atriz Nathalia Timberg sob a direção de Wolf Maya. A peça inaugura o novo teatro da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, que leva o nome da consagrada atriz. Em cena, Clara interpreta com grande sensibilidade as 33 Variações ao vivo. Também gravou o DVD “Sinestesia” ao vivo na Sala Cecília Meireles. Em 2017 e 2018, a convite da atriz Nathalia Timberg, Clara retorna ao teatro com a peça “Chopin ou o Tormento do Ideal”, onde percorreram diversas cidades brasileiras até o outubro de 2018. Em 2019, é vencedora do Prêmio Profissionais da Música no segmento clássico. Em maio de 2020 lança “Reminiscences Vol. 1”, seu novo álbum, produzido pelo compositor e pianista Corciolli e disponibilizado em todas as plataformas digitais.

     

  • XIV Semana do Violão-thumb

    XIV Semana do Violão da EMAC - Inscrições Abertas

    07 Dez a 11 Dez

    XIV_Semana_do_violão_da_EMAC

     

    Participantes Convidados:

     

    Cleyton Fernandes

    Cleyton Fernandes

    Realizou pós-doutorado (UFBA) e doutorado em performance musical (UNESP). É mestre e doutor em semiótica e linguística geral (FFLCH-USP). É professor de violão na Universidade Federal do Cariri (UFCA) e diretor do Instituto Interdisciplinar de Sociedade, Cultura e Artes (IISCA). Iniciou seus estudos de violão em 1982 com seu pai, graduou-se Bacharel em Violão pela Unesp em 1997 nas classes de Giácomo Bartoloni e Gisela Nogueira e teve a oportunidade de participar de vários Master-Classes e Festivais no Brasil e no exterior. 
    Atuou em grupos de ‘músicas do mundo’ como "Arabesque" e "Tarab", entre outros e, entre 2007 e 2011, trabalhou como músico, arranjador e produtor do Grupo Palanco, especializado em trilha sonora de teatro. Possui ampla experiência em Educação Musical e ensino de música tendo atuado como professor em todos os níveis do ensino formal, desde a Educação Infantil até a Pós-Graduação.
    Nos últimos anos realizou turnês na Espanha, França, Holanda, Portugal, Bélgica e Austrália ao lado de Paulo Bellinati em duo de violões e com Thalita Savordelli, no projeto Afro-Sambas, sempre com grande sucesso de crítica e público. 
    Atualmente, se dedica à pesquisa em lutheria para violão clássico e dirige o programa de entrevistas Violão e Academia, ao lado de Gilson Antunes e Sidney Molina.

     

     

    Duo SiqueiraLima

    Duo Siqueira Lima

    Ganhador do Prêmio “Profissionais da Música 2015”, no Brasil, e do “Brazilian International Press Awards 2014”, nos Estados Unidos, o Duo Siqueira Lima é um duo de violões que ultrapassa várias barreiras de períodos e estilos musicais. Unanimemente reconhecido como um dos maiores fenômenos do violão da atualidade eles são requisitados ao redor do mundo para festivais e séries de concertos, tendo como cartão de visita seus ousados arranjos e transcrições de música brasileira.
    Em 17 anos de trabalho o duo tem se apresentado pela América do Sul e do Norte, Europa, África e Ásia. São solicitados pelos maiores festivais dedicados ao violão em todo o mundo, atuando em grandes palcos, tais como do Lincoln Center (Nova Yorque), New World Center (Miami), Het Concertgebouw (Amsterdam) e Sala São Paulo (São Paulo).
    “Finamente detalhado como um Ovo Fabergé”
    The New York Times - 22 de janeiro de 2014.

     

     

    Gilson Antunes

    Gilson Antunes

    Com uma carreira musical de mais de 30 anos, Gilson Antunes já apresentou centenas de recitais em 4 continentes, incluindo países como Israel, Cuba, Estados Unidos, Inglaterra, Itália, Espanha, Portugal, Uruguai, Paraguai, Argentina, Colombia, Venezuela, Peru e México.
    Nasceu em Ilha Solteira, interior de São Paulo, tendo já sido tema de documentários, Lives, Hangouts na internet, especiais de rádio e televisão e artigos em jornais e revistas.
    Estudou na Guildhall School of Music, em Londres. Fez seu bacharelado em Música na UNESP e seu mestrado e doutorado em Artes na USP. Entre seus professores estiveram Carlos Fernandes, Levy Harzer, Sidney Gimenes, Fabio Zanon, Giácomo Bartoloni e Robert Brightmore.
    Gilson Antunes possui um vasto repertório que vai da renascença à obras do Século XXI, tendo já apresentado muitas das principais músicas escritas para violão clássico em todas as épocas.
    Mais de 30 compositores de 4 países lhe dedicaram mais de 50 obras para violão solo, música de câmara e violão com orquestra, entre eles Roberto Victorio, Marcus Siqueira, Willy Corrêa de Oliveira, Maurício de Bonis, Ricardo Tacuchian, Edson Zampronha e vários outros. Ajudou, com suas pesquisas, a resgatar a vida e obra de Américo Jacomino Canhoto através de dissertação de mestrado, CDs, recitais e palestras.
    Gravou quatro CDs solo e fez participação em mais oito.
    Entre os principais eventos que criou e dirigiu estão o Concurso Nacional de Violão Musicalis, o Festival de Música de Ourinhos, o Seminário Internacional de Violão Vital Medeiros e a Mostra de Violão Musicalis. Na UNICAMP organiza eventos mensais, convidando alguns dos principais concertistas brasileiros de violão para palestras, recitais e masterclasses.
    Escreveu artigos para as principais revistas e websites brasileiros de violão dos últimos 25 anos, incluindo Violão Intercâmbio, Violão Pro e Acervo Digital do Violão Brasileiro.
    Gilson Antunes é professor dos cursos de graduação e pós-graduação do Instituto de Artes da UNICAMP desde 2015 (lecionando violão clássico, música de câmara, percepção musical e outros tópicos), tendo sido anteriormente professor da UFPB (Universidade Federal da Paraíba) por mais de 10 anos. É também artista representante da empresa de cordas D’Addario e apresenta-se com violões construídos especialmente para ele pelos luthiers Claudio Arone, Carlos Novaes e Lucio Jacob.

     

     

    MARCOS PABLO_Priscila Appella Fotografia

    Marcos Pablo Dalmacio

    Multi-instrumentista e compositor, desde cedo mostrou interesse por diversos aspectos da prática musical, o que o levou a dedicar-se com igual afinco ao violão, violino e viola, composição, pesquisa musicológica, regência orquestral e à interpretação de música antiga com instrumentos de época (alaúde, vihuela, guitarra renascentista, guitarra barroca, guitarra clássico-romântica, terz guitar e mandolina). Tem se apresentado em concertos, masterclass e palestras na Argentina, Uruguai, Paraguai, Peru, Espanha, Portugal, França e em numerosas regiões do Brasil. É formado na Argentina e pós-graduado no Brasil, tendo recebido bolsas de estudo destes países e da Espanha para ampliar seus conhecimentos.
    Marcos Pablo Dalmacio conta com um repertório que inclui desde peças da renascença interpretadas na vihuela, na guitarra renascentista e no alaúde, até estreias de obras recentes para violão e orquestra e registrou parte deste repertório em quatro trabalhos discográficos. Ativo também como compositor, conta com várias obras estreadas, desde solos instrumentais, passando por obras de música de câmara até composições para coro e orquestra, com estreias e interpretações no Brasil, Argentina, Uruguai e nos Estados Unidos.
    Dalmacio é Diretor Artístico e violinista da Orquestra de Cordas da Ilha (Florianópolis/Santa Catarina) com a qual realizam concertos em numerosas cidades, apresentando sempre programas que incluem primeiras audições no Brasil de obras de diversas épocas.

     

     

    Mario Ulloa - foto

    Mario Ulloa

    Professor de violão na Escola de Música da Universidade Federal da Bahia - Brasil, nos cursos de graduação e pós-graduação.
    Ainda criança estudou música no Conservatório de Castella, em San José, Costa Rica - seu país de origem. Concluiu seus estudos universitários de música na Escola de Artes Musicais da Universidade da Costa Rica, em San José, sob a orientação do Prof. Luis Zumbado. Continuou seus estudos musicais na Musikhochschule Köln (Conservatório Superior de Música de Colônia, Alemanha) sob a orientação do Prof. Eliot Fisk, obtendo o Konzertexamen (Diploma de Concertista). Nessa mesma instituição estudou música barroca com ênfase em J.S. Bach, com o alaudista e maestro Konrad Junghännel. Mais tarde, fez também estudos musicais no Conservatório Mozarteum de Salzburgo, Áustria.
    Tem se apresentado em países da Europa, Estados Unidos, América Latina e ao longo do território brasileiro, onde reside desde 1991.
    Tem dado concertos como solista, recitais solo, música de câmara e master classes em inúmeros festivais nacionais e internacionais.

     

     

    Pedro Aguiar - Violonista

    Pedro Aguiar

    Único brasileiro a conquistar o 1. Prêmio no Concurso Internacional de Violão Alhambra, o violonista Pedro Aguiar tem se destacado no cenário musical internacional, realizando concertos em vários países da Europa e da América. Pedro Aguiar nasceu em Brasília/DF e é Bacharel em Música pela Universidade Federal de Goiás sob a supervisão do Prof. Dr. Eduardo Meirinhos. Em 2010 foi agraciado com uma bolsa da CAPES/FIPSE para realizar um intercâmbio na Marshall University (EUA), sob a orientação do Dr. Júlio Ribeiro Alves. Em 2012 Pedro Aguiar se aperfeiçoa em Paris no Conservatoire de Musique à Rayonnement d'Aulnay-sous-bois, pertencendo à classe de Judicaël Perroy. No mesmo ano foi contemplado com uma bolsa de estudos integral do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico - DAAD para cursar o Mestrado em Perfomance Musical na Escola Superior de Música e Teatro de Munique (Hochschule für Musik und Theater München), na classe do Prof. Franz Hálasz. Após concluir o Mestrado em Música com a nota máxima, inicia o curso de Música Contemporânea na mesma instituição com a bolsa de estudos da Fundação Orlandus Lassus do Rotary Club de Munique, (Orlandus Lassus Stiftung).
    Entre 2013 e 2018, Pedro Aguiar teve a oportunidade de exercer o cargo de Professor Assistente na Escola Superior de Música e Teatro de Munique (Hochschule für Musik und Theater München).
    Pedro Aguiar obteve 15 prêmios em concursos, dentre eles o Salzburg Guitar Fest (Mozarteum, Áustria), XXXIX Concurso Internacional de Gargano (Itália), Concurso Internacional Andrés Segovia (La Herradura, Espanha), Concurso Dr. Luis Sigall (Chile), Aachener Preis (Alemanha), Concurso Vital Medeiros (Brasil), Concurso de Punta del Leste (Uruguai), Concurso Internacional de Amarante (Portugal).
    Apresentou-se com importantes músicos do cenário musical internacional como Wen-Sinn Yang (violoncelo), Débora Hálasz (piano), Phillip Stubenrauch (contrabaixo), Rudens Turku (violino) e como integrante da Kammeroper München.
    Em 2020 lançou seu primeiro álbum dedicado à música brasileira pela NAXOS, maior selo distribuidor de música clássica no mundo, recebendo ótimas críticas.
    “The true spirit of a cross-section of Brazilian music, coupled with a strong, clean technique”JimMcCutcheon Soundboard (Guitar Foundation of America), September 2020
    “A must for guitar lovers and fans of Brazilian music. “ Göran Forsling
    MusicWeb International, July 2020

     

     

    Sidney Molina - por Gal Oppido

    Sidney Molina

    É violonista, professor e crítico musical. Como fundador do Quaternaglia Guitar Quartet (QGQ), participou de gravações, recitais, concertos com orquestra e turnês do grupo no Brasil, Estados Unidos, Austrália e Europa, o que inclui concertos em 17 estados brasileiros e 18 estados norte-americanos. Sua discografia inclui 8 CDs, 1 DVD gravado ao vivo e a participação como convidado em 6 CDs. É bacharel em Filosofia pela USP e doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Atua como Coordenador da Pós-graduação em Violão: pedagogia e performance da Faculdade Santa Marcelina, e professor do curso de música do FMU/FIAM-FAAM, em São Paulo, e da Fundação Carlos Gomes, em Belém. É Musician-in-residence da Portuguese School no Middlebury College, em Vermont (EUA). Desde 2010 coordena o Concurso Nacional de Violão Souza Lima e tem ministrado palestras, integrado bancas e ministrado master classes a convite de instituições como USP, UNESP, UNICAMP, UFBA, UFPA, Yale University, Jacobs School da Universidade de Indiana em Bloomington (EUA), Columbia University e Conservatório de Coimbra (Portugal). É crítico de música do jornal Folha de S. Paulo e autor dos livros Mahler em Schoenberg: angústia da Influência na Sinfonia de Câmara n.1 e Música Clássica Brasileira Hoje.

     

     

    Thiago Colombro Capturar

    Thiago Colombo

    É músico e professor do Centro de Artes da Universidade Federal de Pelotas. É Bacharel e mestre em música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutor pela Universidade Federal da Bahia. Seus principais professores de violão foram: Ivan Montanha, Eduardo Isaac e Daniel Wolff. Entre 1998 e 2005, foi premiado em concursos no Brasil, Argentina, Portugal e Espanha. Nos últimos anos, tem trabalhado como concertista, professor e palestrante em vários festivais de música de todo o Brasil, além de Argentina, Uruguai, Peru, Portugal, França, Holanda, Alemanha, Inglaterra, Itália e Rússia, promovidos por instituições como a Orquestra Sinfônica da Udmurtia, Maison do Brésil, EmiolaMusic Potenza, Comune di Sermoneta, Chitarra a Piacenza, Munganga Teatre, Bath Spa University, Ikletika, Universidad de Montevideo, Universidad Autónoma de Entre Rios, Universidad Nacional del Litoral, Universidad Nacional de Rosário, UFRGS, UFSM, UDESC, UFMA, UFS, UFBa, UFES, UFU, UFRJ, Associação Pró-Música de Uberlândia, Escola de música de Teresina, SESC, SESI, Instituto Cultural Peruano-Norteamericano, Centro Cultural Banco do Brasil, Santander Cultural, Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro, Orquestra de Câmara da ULBRA, Orquestra Sesi-Fundarte, Orquestra Sinfônica da Universidade de Caxias do Sul, entre outros. Em 2003 lançou seu primeiro CD solo, intitulado “Sonata”, através do Fumproarte. Este disco recebeu três prêmios “Açorianos” de música. Em 2006, também sob os auspícios do Fumproarte, lançou o CD “Reminiscências”. Integrou o “TREZEGRAUS”, grupo de música instrumental brasileira que lançou seu álbum homônimo em 2009. Em 2017 lançou álbum Latin Guitar Connections (TRL Records-UK), gravado na Bath Spa University, em Bath (Inglaterra), vencedor do Prêmio Açorianos de Música 2017 em duas categorias: Melhor Compositor e Melhor Instrumentista.

     

     

Ver todos